+55 (19) 3593-9999 | sac@vansil.com.br

Fabricante de medicamentos para animais

Habronemose Equina

Habronemose Equina

12/07/2016 em Blog, Pecuária

Habronemose Equina

A habronemose (cutânea) equina, também conhecida como “esponja” ou “feridas de verão”, é uma verminose causada pelo ciclo errático de larvas dos nematódeos Habronema spp e Drashia megastoma. No geral, é uma doença que não leva à morte, mas causa prejuízos estéticos e queda de rendimento do animal.

A doença é mais comum no verão (por isso o nome popular), por se tratar do período em que as moscas se reproduzem em maior velocidade, favorecendo o ciclo da habronemose.

Ciclo da doença

No ciclo natural, as larvas do parasita são eliminadas pelas fezes no ambiente, e são ingeridas pelas moscas Musca domestica (mosca doméstica) ou Stomoxys calcitrans (mosca do estábulo). Após o desenvolvimento do parasita internamente, as moscas atuam como vetores, depositando as larvas próximo à boca do equino, permitindo a deglutição. No estômago do cavalo, as larvas irão se desenvolver e se reproduzir. As fêmeas do parasita eliminam ovos ou larvas imaturas, que serão eliminadas pelas fezes, completando o ciclo.

Dentro desse ciclo natural, a ingestão das larvas pode ser pela eliminação do parasita pelas moscas, ou também pela ingestão acidental de larvas no ambiente, ou até mesmo da própria mosca (que por ventura caia na água, por exemplo).

No caso do ciclo errático, as moscas depositam as larvas em feridas expostas da pele, ou em regiões onde o animal não consegue espantar a mosca (cabeça, abdômen, e pênis), sendo incapazes de completar o ciclo, e morrendo. A presença das larvas gera uma reação inflamatória e de hipersensibilidade (alergia), com lesões ulcerativas e bastante incômodas.

Sintomas

Lesões pequenas nas regiões suscetíveis, com prurido intenso, intensificando a gravidade conforme o animal procura se coçar.

Diagnóstico

A partir do raspado e biópsia cutânea da lesão é possível visualizar e identificar o parasita.

Tratamento completo

A melhor forma de tratar a habronemose é fazer uso de agentes sistêmicos e locais, eliminando as larvas presentes no estômago, e também fazendo o controle e eliminação do parasita cutâneo.

O triclorfon é um organofosforado, com ação antiparasitária e sistêmica, indicado no controle da habronemose (gástrica e cutânea). O Triclorsil (pó) e o Triclorsil Pasta, produzidos pela Vansil Saúde Animal, contêm esse princípio ativo, e são altamente indicados no tratamento dessa parasitose.

No tratamento da lesão, é indicado o uso de produtos que auxiliem na recuperação da pele, favorecendo sua integridade e repelindo moscas, evitando assim que a infecção se perpetue. A Vansil conta com os seguintes produtos, indicados nesse tratamento local:

  • Ricinus: à base de óleo de rícino, é um produto que contribui com a hidratação da pele.
  • Max Prata: sua fórmula proporciona ação antisséptica, cicatrizante, larvicida e repelente.
  • Unguento Vansil: pomada cicatrizante e inseticida;

Protocolo

Recomenda-se a higienização da lesão com soro fisiológico, e aplicação diária de Ricinus com Triclorsil (pó) diretamente na ferida, e ao redor Max Prata ou Unguento Vansil para ação repelente.

No mesmo dia, administrar via oral Triclorsil Pasta, na dosagem de 1g para cada 50kg de peso, conforme indica na bula. Vale lembrar que o tratamento das lesões é longo.

Veja mais dicas em Protocolo sobre Habronemose

Controle

O principal é controlar o vetor. A forma mais viável é fazendo uso de repelentes em feridas abertas (Max Prata).

A presença de fezes é um atrativo para as moscas. Portanto, a correta higienização de baias e piquetes é essencial.

Identificar os fatores causadores de lesões nos animais, e realizar o devido manejo ambiental, ajuda a minimizar a infestação de moscas.