+55 (19) 3593-9999 | sac@vansil.com.br

Fabricante de medicamentos para animais

Intoxicação de cães e gatos

Intoxicação de cães e gatos

22/06/2016 em Blog, Pet

Intoxicação de cães e gatos

A curiosidade é algo natural dos animais, e isso os leva a entrar em contato, e até mesmo ingerir, o que há a sua volta. Porém, esse comportamento pode se tornar um grande problema quando  agentes tóxicos estão disponíveis no ambiente. Produtos químicos, medicamentos humanos e alimentos tóxicos são as principais causas de intoxicação em cães e gatos, seja pela acessibilidade que os animais têm aos agentes ou pelo desconhecimento dos tutores em relação ao perigo que essas substâncias oferecem.

 

Veja a seguir alguns dos principais agentes responsáveis por intoxicações identificadas na rotina de urgência veterinária:
Organoclorados

Grupo composto por inseticidas, onde grande parte já se encontra proibido no país. Os componentes permitidos são utilizados no controle de pragas na agricultura e em saúde pública.

Princípios ativos: DDT, BHC, PVC.

Mecanismo de ação: são absorvidos por via oral, cutânea ou respiratória. Sua principal ação é na transmissão dos impulsos nervosos, levando a um estímulo do Sistema Nervoso Central. Além dessa ação, os organoclorados são ainda imunossupressores, teratogênicos e carcinogênicos.

Sinais clínicos: agitação, convulsões, vômito, diarreia, tosse.

 

Organofosforados

Inseticidas e acaricidas, muito utilizados para controle de pragas agrícolas.

Princípios ativos: diclorvos, dimetoato, fosfamidon.

Mecanismo de ação: são absorvidos pelo trato intestinal, e agem impedindo a neurotransmissão sináptica.

Sinais clínicos: salivação, vômito, tremores musculares, diarreia, letargia.

 

Carbamatos

Utilizado no controle de pragas (artrópodes em geral).

Princípios ativos: carbarila, propoxur, aldicarb ( “Chumbinho”)

Mecanismo de ação: ação semelhante à dos organofosforados.

Sinais clínicos: semelhantes ao dos organofosforados.

 

Piretróides

Inseticidas, e muito utilizados no controle de pulgas e carrapatos.

Princípios ativos: piretrina, cipermetrina, deltametrina.

Mecanismo de ação: absorção por via oral, tópica e respiratória, com ação no sistema nervoso central e periférico, e na musculatura.

Sinais clínicos: salivação, convulsões, vômito, tremores, espasmos abdominais, parada respiratória.

 

Alcaloides

Presente em alimentos humanos (chocolate, cafeína), entre outros.

Princípios ativos: teobromina (chocolate), cafeína, nicotina, morfina.

Mecanismo de ação: estímulo do sistema nervoso central.

Sinais clínicos: vômito, diarréia, inquietação, tremores, taquicardia.

 

Além dos casos citados acima, uma das principais causas de intoxicação nos pets é pela ingestão acidental de medicamentos humanos. Embora boa parte dos princípios ativos utilizados na medicina humana faça parte também da rotina veterinária, a dosagem comercializada ou a quantidade que o animal possa vir a ingerir são fatores que influenciam no grau de toxicidade. Portanto, mantenha qualquer medicamento fora do alcance dos animais.

Os felinos possuem uma metabolização diferente dos cães, sendo mais sensíveis à alguns medicamentos. É importante saber que princípios ativos como ácido acetilsalicílico (Aspirina) e paracetamol (Tylenol) são altamente tóxicos para gatos.

 

Em casos de suspeita de intoxicação o animal deve ser conduzido ao médico veterinário para devido atendimento e estabilização.

Tratando-se de intoxicação por agentes específicos, como os citados acima, é possível tomar medidas emergenciais até que se consiga atendimento veterinário. O uso de substâncias adsorventes é um exemplo.
A adsorção é o processo de fixação de moléculas a uma superfície de outra substância, impedindo que sejam absorvidas pela mucosa gástrica, e facilitando a eliminação sem que haja comprometimento do organismo. Nesse caso, a substância mais utilizada, e de maior eficácia em grande parte dos agentes tóxicos é o carvão ativado.

O Zeotop, produzido pela Vansil Saúde Animal, é um suplemento vitamínico, mineral e aminoácido que contém carvão vegetal ativado em sua fórmula, sendo indicado em casos de intoxicação. Além do carvão vegetal para casos de intoxicação, o Zeotop conta ainda com substância Zeolita, que aumenta o trânsito intestinal, facilitando a eliminação das toxinas adsorvidas.

É importante salientar que o uso do carvão ativado só terá eficácia se administrado em um período de 1 à 2 horas após a ingestão do agente tóxico (tempo médio de absorção gástrica).
Se houver suspeita de intoxicação por algum dos agentes citados, administre via oral 10g do produto em 40 ml de água, para cada 10 kg, e encaminhe imediatamente ao médico veterinário.